top of page
IMG_5115.JPG

Raio “X” do Rio: Onde arremessar sua isca - Rios de águas rápidas

por Roberto Conti - Jornalista, pescador e Consultor do time CucaPesca


Em toda pescaria que praticamos, não adianta ir arremessando “a torto e a direita”. Até pode pegar peixes, mas se quiser elevar o número de capturas, arremessar no lugar certo faz muita diferença...


Pescaria em rios de águas mais rápidas, geralmente é o lugar em que temos mais pontos de arremesso, se tornando a pescaria mais técnica. Isso acontece muito em pescarias de dourados e piraputangas, no Mato Grosso, principalmente próximos à Cuiabá, onde esses são predominantes. Nos rios Manso e Cuiabá por exemplo, esses peixes procuram águas rápidas com mais estruturas para se alimentarem.


Vamos aos pontos de pesca:


Margens:


pescaria no rio manso

Nas margens, existem diferentes características, como vegetações sobre as águas, galhos e árvores caídas, barrancos desbarrancados, alguns pontos com pedras e entradas de água. Nesses pontos, os dourados ficam à espreita para pegar alguma presa que quer se esconder dos predadores, por isso é um bom ponto de pesca, inclusive para as Piraputangas.


Remansos:



pescaria no rio manso

Terão pontos de remansos à montante das corredeiras, ou seja, para cima da corredeira. Esses remansos são bem propícios aos ataques dos dourados, pelo simples motivo que os pequenos peixes (que são a maioria dos alimentos deles), vão subindo o rio e após vencerem a corredeira, se deparam com este remanso para recuperar suas energias. Nesse momento, o dourado estará pronto para ataca-los. Semelhante à este remanso, tem o à jusante, que é o oposto do montante, ou seja, para baixo da corredeira. Nesses pontos os dourados ficam aguardando seus alimentos que vêm junto com a correnteza. Entre esses dois remansos, ficam as corredeiras, que também são excelentes pontos para arremessar.


Corredeiras:


pescaria no rio manso

As corredeiras são formadas basicamente por três tipos de acidentes geográficos. Pode ser um afunilamento do trecho do rio que faz com que as águas fiquem mais comprimidas e velozes, o outro, que é causado por uma diminuição rápida da profundidade do rio, isso faz com que o volume de água acelere para conseguir vazar o mesmo volume de água num trecho mais raso. O Terceiro, é o contrário. A profundidade aumenta e isso faz com que a gravidade puxe a água para baixo. Neste caso, a corredeira tem o comprimento da distância do lugar mais raso para o mais fundo. Nessas corredeiras, geralmente, são acidentadas. No seu percurso, encontram pedras, troncos, buracos e vegetações submersas. Nesses pontos, os dourados ficam de tocaia na espera de algum peixe menor desavisado, para “descer o cacete”.


Troncos e galhos caídos:

pescaria no rio manso

Ao longo do rio, o pescador irá se deparar com troncos e galhos caídos. Eles são ótimos refúgios para pequenos peixes e isso faz com que os dourados fiquem rodeando estas estruturas (ou ficam dentro delas) esperando os peixinhos adentrarem ao possível abrigo. Quando encontrar esses pesqueiros, arrisque arremessos o mais próximo possível da estrutura. São ótimos pontos para pescar as piraputangas também.


Vegetações submersas:


pescaria no rio manso

Em muitos rios, existem vegetações submersas. Entre as plantas, existem buracos e fendas, que servem de esconderijo para os dourados. Faça as iscas passar por estas falhas e prepare o coração. Nessas estruturas, o mais indicado é pescar com iscas de superfície. E acredite, é a isca que mais dá resultado.


Pedras aparentes e ilhas:


pescaria no rio manso

Em muitos trechos de rios, o fundo é de pedras. Elas em alguns pontos, ultrapassam a superfície e podem até formar ilhas. Esses pontos são muito propícios ao ataques dos dourados também. Nesses locais, acabam formando uma porção de pequenos remansos, que servem para os pequenos peixes se abrigarem ou descansarem. Ao redor das ilhas, existem pontos peculiares. Na entrada de água, os dourados ficam aguardando seus alimentos vindos de encontro, impulsionados pela correnteza. Nas laterais, os dourados ganham a vantagem de poderem encurralar suas vitimas de encontro às pedras. E por último, a saída de água, o dourado está por ali esperando no seu alimento vindo de baixo e de cima.


Poços:


pescaria no rio manso

Os poços podem ser encontrados em diversas partes dos rios. São pontos mais fundos que o normal. Esses buracos servem de esconderijo, já que o predador fica na parte mais funda esperando seu alimento passar para o abocanhar. O mais comum nesses casos, é usar iscas que afundam mais, fazendo com que ela passe mais perto dos dourados escondidos nas partes mais fundas.


Estruturas submersas:


pescaria no rio manso

Em muitos pontos dos rios, dá para observar estruturas submersas. Esses são pontos de extrema importância para o pescador esportivo. Neles, os dourados ficam aguardando seus alimentos passarem ou ao contrario, os dourados é quem passeiam pelas estruturas atrás dos pequenos peixes que estão nessas estruturas escondidos. Nesses pontos, o pescador terá que avaliar bem o tipo de estrutura para escolher a isca certa. Uma que indico muito, é a colher com anti-enrosco. Ela aguenta mais desaforo, podendo assim, o pescador arriscar mais, fazendo com que ela passe bem pertinho das estruturas. Vale à pena tentar.


Vegetações sobre as águas:


pescaria no rio manso

Esses pontos de pesca são extremamente produtivos e o melhor de tudo, o pescador nunca saberá o que irá atacar sua isca. Dourados, piraputangas e até pacus, dependendo da época que tiver ou a região. Isso porque geralmente na seca, os pacus estão se alimentando de pequenos peixes, já que as frutas e flores, não estão caindo mais. A idéia é fazer a isca passar por dois pontos desta estrutura. Um, é fazer a isca percorrer a extensão da vegetação e o outro, é fazer a isca passar por debaixo.


É isso! Agora é só marcar uma pescaria! Pescaria no Rio Manso, Cuiabá, Argentina e entre outros, é conosco. Entre e contato!

96 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page